Momento da tributação do PIS e da Cofins – ICMS

 

EXCLUSÃO do ICMS do PIS e da Cofins:

Em que momento tributar o IRPJ e a CSLL?

     Duas décadas de discussão no judiciário não são suficientes para que a Receita Federal do Brasil acene com uma bandeira branca e encerre essa polêmica que já se tornou exaustiva sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins.

     Como se não bastasse, após o STF encerrar a discussão por meio do julgamento do Recurso Extraordinário nº 574.706, a Fazenda Nacional ainda insiste, por meio de embargos de declaração, que estão prometidos para serem julgados no dia 1º de abril, em discutir qual o ICMS deve ser excluído do PIS e da Cofins: se o recolhido ou o destacado.

     Como estes embargos não tem efeitos suspensivos com relação as demais ações que tramitam no país, inúmeros processos já se encontram encerrados com o trânsito em julgado.

     E é nesse momento que, tanto a Receita Federal do Brasil quanto a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, tentam dificultar a utilização dos créditos pelos contribuintes.

     Primeiro por meio da Solução de Consulta Interna Cosit 13 de 2018 onde, unilateralmente, sem provocação de nenhum contribuinte, a RFB decide legislar que o ICMS a ser excluído da base de cálculo do PIS e da Cofins é o ICMS efetivamente pago.

     Segundo, no momento de levantar os valores que foram depositados em juízo no decorrer do processo, a PGFN ao ser intimada apenas para dar o seu ciente, junta aos autos os cálculos da RFB pedindo ao juízo que limite o valor a ser levantado pelo ICMS recolhido. Ao não ter seu pedido atendido, a PGFN não se contém e tem interposto agravo de instrumento visando prolongar ainda mais os processos.

     E terceiro é editada a Instrução Normativa RFB Nº 1911, de 2019, que em seu artigo 27, parágrafo único, estabelece que para fins de cumprimento das decisões judiciais transitadas em julgado que versem sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins, devem ser observados os seguintes procedimentos: o montante a ser excluído da base de cálculo mensal das contribuições é o valor mensal do ICMS a recolher.

     Esses três comportamentos descritos demonstram a total incerteza e iliquidez dos valores que os contribuintes tem apurado.

     Assim, ao adentrarmos no momento que deve ocorrer a tributação pelo IRPJ e a CSLL dos créditos de PIS e Cofins decorrentes da exclusão do ICMS das suas bases de cálculo, não temos como falar de valores líquidos e certos.

     O entendimento do fisco até fevereiro de 2020 não é esclarecedor. Toda a legislação menciona apenas que a tributação deve ocorrer em um dos três momentos:

1º – No trânsito em julgado da sentença líquida e certa,

2º – No trânsito em julgado dos embargos à execução no caso da sentença não ser líquida e certa ou,

3º – na data da expedição do precatório.

    Ocorre que em nenhum destes dispositivos como o ADI SRF 25/2003, as Soluções de Consulta DISIT/SRRF10 nº 232 e 233, de 30 de novembro de 2007 e a solução de divergência COSIT nº 19, de 12 de novembro de 2003, não é mencionado a grande parte dos casos que tratam de sentença que não são líquidas, geralmente advindas de mandado de segurança, e dos pedidos de habilitação de créditos.

    Assim, ficam vários momentos em que se pode falar da tributação do IRPJ e da CSLL:

  • Com o trânsito em julgado da sentença com valor definido;
  • Com o trânsito em julgado dos embargos à execução, no caso da sentença não ter valor definido;
  • Com a expedição do precatório;
  • Com o protocolo do pedido de habilitação do crédito na RFB;
  • Com o despacho decisório habilitando o crédito;
  • À medida que as compensações forem sendo realizadas;
  • Quando houver a homologação das compensações pelo fisco;
  • E ainda, pode se dar quando houver a homologação tácita das compensações.

   Todos os momentos citados tem ponto de vista defensável e, ao que tudo indica, os contribuintes não estão dispostos a tributar um crédito que a própria Receita Federal do Brasil ainda insiste em discutir, mesmo após duas décadas e após o julgamento do RE 574.706.

   Assim, não se tendo certeza do valor do crédito, tudo indica que os contribuintes reconhecerão o momento de tributar os créditos de PIS e Cofins pelo IRPJ e a CSLL somente quando da expedição do precatório, quando for o caso; ou da homologação das compensações, seja pelo fisco seja de forma tácita.

    Temos que aguardar 1º de abril de 2020 para vermos os novos capítulos desta discussão; pois se neste dia houver o julgamento dos embargos de declaração, colocando um ponto final na discussão e reconhecendo o crédito de PIS e Cofins sobre o ICMS destacado, podemos dizer que neste caso o crédito se tornaria “líquido e certo” e o momento da tributação, nos casos de compensações, poderia se dar nesta data de 1º de abril e não na data da transmissão das Dcomps anteriores a este dia, pois até este dia não temos certeza e liquidez do crédito. E no caso das Dcomps posteriores, a data seria a da transmissão.

E quanto ao principal e aos juros? Como devo reconhecer para fins de  tributação?

   Nos momentos citados acima, recebimento do precatório, homologação das compensações ou a data da transmissão das compensações, o valor do principal utilizado para compensar débitos deve ser reconhecimento como recuperação de custo, incidindo sobre este valor o IRPJ e a CSLL. Já o valor dos juros são reconhecidos como receita financeira, incidindo sobre este valor além do IRPJ e da CSLL, o PIS e a Cofins.

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin